Edição 320

Cadastre-se e receba nossas edições gratuitamente

Que o VAR nos ajude!

E se a bola rola, deixa ela rolar... A Copa do Mundo se foi, mas as resenhas continuam sabe Deus até quando, com os debates passando mais pelas decisões da arbitragem ou do VAR (Video Assistant Referee), o famoso Árbitro de Vídeo, do que pela atuação dos craques nos gramados. Entre os muitos livros editados sobre futebol recentemente, alguns nos permitem reviver a nostalgia de seleções e jogadores que marcaram a história dos mundiais e outros exploram temas familiares ou lançam um olhar sobre a arbitragem, como Grandes Árbitros do Futebol Brasileiro, escrito pelo ex-árbitro Daniel Destro....

Vamos todos cirandar!

Atenção criançada, os bons tempos das brincadeiras, da leitura e do “faz de conta” estão de volta nas lojas da Kalunga

MAIS DO QUE UM EMPRESÁRIO de sucesso, pode se dizer que o gaúcho Donaldo Buchweitz tem feito de seu trabalho uma espécie de sacerdócio, um autêntico apostolado em favor do aprendizado e da leitura. Ele comanda a Ciranda Cultural, que há mais de 15 anos, edita livros para crianças e jovens de todas as idades, além de títulos para professores, cuidadores e adultos de maneira geral. Maior empresa desse mercado no Brasil, com mais de três mil títulos, a Ciranda firmou recentemente uma parceria com a Kalunga, que está colocando os livros em toda a sua rede...

Amizade é o que conta

Fala-se muito na vantagem de ter um amigo sempre à mão, mas poucos sabem da importância desse tipo de relacionamento, inclusive para a saúde

TODO MUNDO SABE QUE TER AMIGOS FAZ A VIDA MAIS FELIZ, mas será que a amizade proporciona outros efeitos positivos em nosso corpo e mente? Diversos estudos científicos garantem que sim: há muitos benefícios que a amizade traz para a saúde dos seres humanos. Um desses trabalhos, realizado pela professora de psicologia Julianne Holt-Lunstad, da Universidade Brigham Young (Utah, EUA), concluiu que ter amigos diminui as taxas de colesterol e de glicose no sangue, o que fortalece o sistema imunológico. Além disso, também causa efeitos diretos e positivos na respiração, na pressão arterial e nos batimentos cardíacos...

Digno de nota

Sempre uma pedra no sapato de pais e professores, as dificuldades no aprendizado têm solução. Antes, é preciso conhecê-las

COM A VOLTA DAS AULAS, AGORA EM AGOSTO, retornam também todas as preocupações e angústias de alguns pais, alunos e educadores, ou seja, a dificuldade na conclusão de tarefas, a luta para estudar, o sofrimento para fazer provas, as notas abaixo da média, entre outras. Questionamentos assombram a família, chegam a tirar o sono. Será que é uma fase ou é algum problema sem solução? Será preguiça ou alguma limitação? Será algo emocional, uma dificuldade ou um transtorno? ...

Esses vovôs da hora

Cada vez mais jovens, os avós de hoje em dia levam uma vida agitada e ainda encontram tempo para cuidar dos filhos e dos netos

ELA DE XALE NAS COSTAS, TRICOTANDO e fazendo quitutes para os netos. Ele de boina, suspensórios e ouvindo seu radinho de pilha. Se essa imagem é a primeira que lhe vem à mente quando você ouve a palavra “avós”, saiba que está na hora de atualizar os seus conceitos. Por mais que os avós atuais continuem sendo um poço de doçura e afeto, os hábitos e o dia a dia destes senhores andam bem diferentes. A começar, eles nem são mais tão senhores como antigamente...

Pra lá de divertido

Brincadeiras de crianças, hoje em dia, são atrás das telas do computador ou do smartphone, mas antigamente o bicho pegava

A RUA ERA O GRANDE QUINTAL DE MUITOS ADULTOS, passados já dos 50 anos. Lá, a maior parte do tempo era dedicada ao futebol, e nos intervalos, a garotada jogava bolinha de gude e bets, rodava pião, empinava pipas ou brincava de pega-pega, mocinho e bandido, cabra-cega, e por aí vai. As brincadeiras só eram interrompidas pelas raras passagens de algum veículo ou pelos gritos de uma mãe, chamando alguém para comer ou tomar banho. Atualmente, com a verticalização das cidades e a insegurança, a criançada passa a maior parte do tempo em seus quartos, às voltas com jogos de computador ou com o celular na mão. Além da falta de socialização, os novos hábitos retardam o desenvolvimento físico das crianças, que acabam comendo demais e, em muitos casos, tendem à obesidade...

De comer ajoelhado

Eis um alimento para quem gosta de comer bem e repetir (como numa ladainha) e também para aqueles que curtem uma boa dieta

DIZ A LENDA QUE ENQUANTO UM CERTO PADRE de uma cidade das Minas Gerais rezava sua ladainha diária, os escravos e famílias pobres da região aproveitavam para invadir o quintal da igreja e surrupiar as folhas suculentas de uma planta que lhes servia de sustento. Por essa razão, a planta conhecida cientifi camente como pereskia aculeata miller ganhou o nome popular de ora-pro-nóbis. Se de um lado devemos condenar o “furto”, de outro, há que se louvar a esperteza dos larápios, que levavam para suas casas uma das plantas mais ricas da natureza, em termos nutricionais...

Perigosa semelhança

Ser parecido com alguém famoso pode ser vantajoso, mas em alguns casos, como o ocorrido com este jornalista, pode trazer riscos

NÃO ME ACHO SÓSIA DE NINGUÉM, mas já fui chamado de Eduardo Araújo, Charles Bronson, Ron Perlman (o ator de Hellboy) e, quando mais jovem, de Mariel Mariscot. Já escrevi nesta revista que a suposta “semelhança” com o famoso policial carioca fora da lei quase me custou a vida, mas não custa nada relembrar. Aos mais jovens, é preciso dizer que Mariscot, policial civil do Rio de Janeiro das décadas de 1960/1970, cansado de brincar de mocinho, mudou de lado. Acusado de vários crimes e de integrar o Esquadrão da Morte, acabou fuzilado em 1981, no centro do Rio. Em tempo: ele foi morto quando descia do carro para um encontro com banqueiros do Jogo do Bicho...

Cadastre-se e receba nossas edições gratuitamente

Voltar para Página Principal